terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Divulgação Chiado Editora

Recebi mais dois livros da Chiado Editora, para ler e dar a minha opinião sincera, como o faço sempre.
Muito obrigada à Chiado Editora, pelo envio das obras das escritoras C. R. Olim e Marianna Leão.

Clube Da Meia Noite
Marianna Leão
Chiado Editora
Fevereiro 2016
N.º pág.:562
ISBN: 978-989-51-6380-9
Colecção: Viagens na Ficção
Género: Ficção
Preço em Papel: 14,00 euros
Preço em eBook: 3,00 euros
Sinopse:
"Archild, Bigelow, Connoly, Stablish, Goldberg e Monroe. Para alguns, não passam de sobrenomes comuns, mas, para a população de Sherwood, esses nomes são sinónimos de realeza. E ninguém mexe com a realeza, certo? Tudo mudou em 1989, quando um assassino escreveu seu nome na história da Cidade.
David passou a vida inteira tentando entender o que fez com que seu pai se tornasse um assassino, se perguntando se ele também tinha aquele pequeno curto circuito escondido em algum lugar de seu cérebro. As coisas seriam mais fáceis se ele não tivesse crescido vendo aquele medo refletido nos olhos de todos a sua volta. Não era de se admirar que ele tenha procurado refúgio em outro continente. Mas agora era hora de voltar para onde tudo havia começado...
Aos 17 anos, Annie está tentando descobrir quem ela é, o que é realmente importante em sua vida. Disputas por garotos, campeonatos de natação, picuinhas e bolsas de estudo, era o que ela julgava como suas únicas opções. Mas o cenário muda de figura quando David cruza o seu caminho.
Acidentes estranhos, amigos inusitados, clubes sombrios e desaparecimentos suspeitos vão acompanhar David e Annie em sua jornada de autodescobrimento."retirado da contracapa do livro
A escritora Marianna Leão:
"Marianna nasceu no Rio de Janeiro – RJ, onde morou até os 12 anos. Quando criança mantinha um diário onde escrevia uma versão fictícia do que acontecia no seu dia a dia. Com o tempo, essa paixão evoluiu para fanfics de desenhos e novelas até passar para a criação de trabalhos originais. Formada em Comunicação Social pela UFJF, atualmente trabalha com planejamento e marketing digital na Trópico Propaganda em Juiz de Fora - MG."retirado da banda do livro

O Beijo da Morte
C. R. Olim
Chiado Editora
Fevereiro 2016
N.º pág.:576
ISBN: 978-989-516-372-4
Colecção: Viagens na Ficção
Género: Ficção
Preço em Papel: 15,00 euros
Preço em eBook: 3,00 euros
Sinopse:
"Quem matou Maria Santos?
A inesperada e horrenda morte da jovem estudante de enfermagem deixa em choque todos aqueles que a conheciam. Quem matou Maria, e acima de tudo porquê, são duas questões que atormentam a sua mãe e amigos. Entre o presente e o passado, O Beijo da Morte segue a investigação dos cinco inspetores responsáveis pelo caso, dando-nos a conhecer esta jovem exemplar e todos aqueles que desempenharam um papel na sua vida, quer para o bem, quer para o mal."retirado da contracapa do livro
A escritora C. R. Olim:
"Nascida em 1992 na Região Autónoma da Madeira, licenciou-se em enfermagem na Universidade da Madeira em 2015. Apaixonada por livros desde que se recorda, o Beijo da Morte é o seu primeiro livro."retirado da banda do livro
Excelentes leituras na companhia dos livros da Chiado Editora, a Editora que está sempre mais perto de si.
Boas leituras!

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Minha opinião sobre o livro " Jonas vai morrer" do escritor Edson Athayde

Jonas vai Morrer
Edson Athayde
Data da publicação:01-2014
N.º pág:150
ISBN:978-989-51-0888-6
Coleção: Viagens na Ficção
Género:Romance
Preço em formato de papel: 12,00 euros

Livro gentilmente oferecido pela Chiado Editora, em troca da minha honesta e sincera opinião.

Sinopse:

«Um quase-policial de Edson Athayde

“Todas as novelas têm um novelo. Todos os crimes têm o seu repertório de culpas. Autores de folhetins, em específico, e criminosos, em geral, trapaceiam ao revelar sempre o que interessa, um truque para esconder o que importa. A dissimulação é o vento que sopra na vela desta galera, o combustível dessa nave. Entre se quiser, acomode-se num canto. A viagem não vai ser tranquila”.
“Neste surpreendente romance quase tudo o que parece não é”.

(Prefácio de Luís Osório)

Romance escrito no âmbito de Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura.A história de “Jonas Vai Morrer” passa-se em Guimarães (ou Vimaranes, como era conhecida há mais de mil anos). Trata-se da mais histórica das cidades portuguesas, o chamado “berço do país”. Património Cultural da Humanidade, Guimarães foi, em 2012, Capital Europeia da Cultura. “Jonas Vai Morrer” foi escrito no âmbito de uma Residência Artística Literária desse evento. Além da trama cheia de mistérios e algum lirismo, esta obra revive nas suas páginas as ruas, praças, igrejas, bares, os tempos e os modos vimaranenses. Ambientado nos anos 80, “Jonas Vai Morrer” é um quase-policial, na definição do seu autor. Um livro que fala de crimes sem sangue à vista. Propõe um jogo onde a charada é descobrir quem é o algoz, quem é a vítima. Nesse labirinto, temos Pedro, um homem sem passado, o talvez louco 32, um caderno de memórias apócrifo e um enredo que nunca é o que parece ser.»
retirado do site da chiado editora

Minha opinião:

Este livro tem algo de muito original, o título, Jonas vai morrer, ao ler este título eu como leitora fico logo a saber o que vai acontecer à personagem Jonas. Mas é exactamente aqui que me prende o livro, sei o fim mas não sei o caminho que leva a esse fim.
Posso garantir que o facto de saber o fim agarrou-me à leitura do livro de uma forma soberba. Este livro é simplesmente fantástico e garanto-vos  que tem um final completamente surpreendente, pelo menos para mim, que andei toda a leitura a tentar descobrir quem mata Jonas.
O enredo deste livro é rico em personagens estranhas, mas que entraram com uma facilidade tremenda na minha corrente sanguínea.
São personagens excêntricas, incomuns, estranhas, abandonadas, desconhecidas, que ninguém quer saber delas. Mas é com elas que se constrói o enredo desta história.
Contudo a pergunta continua a estar no ar, como ou de quê que  Jonas morrerá? Ou como e em que momento isto vai acontecer?
Ao longo deste livro apresentado por Edson Athayde, percebeu-se em vários momentos, dos fracassados padrões e escolhas deles, personagens, que ainda assim, sentiam um tipo de amor por várias coisas, a cultura, a literatura e a vida até. "Leitores com nível alto de interpretação perceberão facilmente que o autor não manipulou a história, isto ficou claro, ele deixou que a história fosse quem o levasse a escrever."
Pedro é uma das personagens, daquelas pessoa que passam quase como anónimas, que se escondem e tentam passar por entre a multidão sem que esta dê conta da sua presença. Pedro é um homem cheios de gestos rotineiros, que ao decorrer da história mostra-se um irresistível curioso. 
O enredo deste livro, decorrer muitas das  vezes pelas nas ruelas de Guimarães, capital europeia da cultura 2012, com estilo histórico e fiscalizada pela aglomeração de pessoas diferentes, distintas, compara-se em certos pontos ao romance social do reflexivo escritor brasileiro. 
Ainda abordando as personagens, com lindas citações e comparações feitas pelo próprio autor, temos a  Alice C., quase uma Capitu, dissimulada, com olhos de ressaca, "tão bonita, tão bonita'', de seios tão belos. Esbarra-se ainda com o 32, interno da Casa da Boa Esperança, possivelmente louco, um homem infeliz e demente cujo Pedro nem sabe o nome e H.H., um excelente escritor mas prepotente que acaba por também fracassar antes mesmo do fim do livro.

Aos inícios dos capítulos e em bons trechos de todo o conteúdo, são reveladas partes do caderno de memórias do 32 que foi cedido ao Pedro que o lê de forma quase sofrida. 
O passeio que Pedro faz ao ler o caderno do paciente 32,   pela vida dos envolvidos de forma separada é, extraordinariamente  inteligente e de uma beleza extrema. 
Talvez alguns pensem que dizer logo na capa de um livro que Jonas vai morrer pode ser um triste título, uma perfeita parvoíce do escritor, mas é neste exacto momento  que o leitor se condena ao julgar precocemente o autor, que demonstrou na verdade, perspicácia, ousadia e muita inteligência. Deve-se entender que em todas as novelas têm um novelo, que nada mais é do que as suas intrigas, reviravoltas, surpresas e labirintos. Sendo assim, tudo fará sentido ao final.
Só no fim eu percebi toda a história e todos os seus labirínticos enredos e todas as suas personagens. 
Fiquei rendida à escrita de Edson Athayde ao modo inteligente e perspicaz com que ele consegue em exatamente 150 páginas agarrar-me a uma leitura de uma beleza extrema.

Recomendo vivamente esta leitura.

Classificação de 5***** no Goodreads.

''Jonas Vai Morrer'', livro de Edson Athayde publicado pela Chiado Editora merecia bem mais de 5 estrelas se fosse possível. Parabéns ao autor pelo talento, inteligência  e audácia. 


Para a Chiado Editora, ficam os meus singelos agradecimentos pelo envio da obra e os parabéns por esta maravilhosa aposta. 




Excertos do livro:


''Hoje, o 32 parece mais calmo. Caminha, passos miúdos, meio sem rumo, pelo jardim do inverno. Às vezes, ele detém-se para relacionar-se com as flores (...) Qual será a idade do 32? Parece velho, mas isso pouco quer dizer.''

''Assassino é o executor de um. Matador é o carrasco de muitos. Deus é o algoz de todos.'' 


''Passaram-se horas ou dias? Há quase um silêncio no lugar. Pedro percebe que o despertar surgirá mais vivo, agora. Antes, um caleidoscópio de imagens. O apartamento da mulher. O sorriso desdentado. O roupão a revelar detalhes da sua feia anatomia (...) E depois... Nada. Um buraco, um vazio, o vácuo da memória.''

"Todas as novelas têm um novelo. Todos os crimes têm o seu repertório de culpas."

"Duvide, por exemplo, da maneira lúgubre como comecei este relato, ao afirmar o triste fim de Jonas. Declarar a morte de alguém, antes de contar a sua vida, é fazer o cortejo fúnebre antes do batizado"

"Se a solidão não fosse uma pandemia, os livros há muito teriam sido queimados vivos."

Excelentes leituras.

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Minha opinião sobre o livro "O Senhor Valéry" do escritor Gonçalo M. Tavares

O Senhor Valéry
Gonçalo M. Tavares
Ilustração: Rachel Caiano
Edição/reimpressão:2007
Páginas: 82
Editor: Editorial Caminho
ISBN: 9789722114707
Idioma: Português
Preço:11,61 euros
Livro lido através da biblioteca da escola onde lecciono.
Este livro faz parte do PNL do 6.º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada.
Sinopse:
«Gonçalo M. Tavares (n. 1970) é um novo escritor que em pouco tempo se estreou com quatro livros (poesia, literatura infanto-juvenil e teatro) de grande qualidade e que já lhe valeram dois prémios. Um desses prémios (Branquinho da Fonseca "Expresso/Gulbenkian, na modalidade de Literatura para a Infância) foi, precisamente, atribuído a este " O Senhor Valery". Que não é, diga-se, propriamente um livro infantil, mas um livro de que os adultos gostarão certamente (e as crianças também e até por isso mesmo. Conta-se que Oscar Wilde, um dia em passeio por uma Feira de Livro com um sobrinho, lhe quis comprar um livro para lhe oferecer. A criança retorquiu dizendo que estava bem, desde que não fosse um livro infantil). E quem é este senhor Valery ? Um homem de estatura baixa (por isso dava muitos saltos, para, por vezes, "ser igual às pessoas altas"), solitário, com um humor fino, que adora pensar de uma forma lógica, tão lógica, que por vezes roça a estupidez. O livro tem desenhos de Rachel Caiano. 

"Lemos o livro com o prazer de estarmos a acompanhar um discurso extremamente inteligente sobre uma criatura cujo universo mental assenta na mais acabada tolice. Lemo-lo com um sorriso nos lábios que, por vezes, se abre numa gargalhada.
" (...) o texto é um estimulante exercício de inteligência. Os adultos não desdenharão lê-lo e as nossas crianças poderão aceder a alguns dos seus sentidos profundos, aqui e ali com a ajuda de um pai ou um professor. Retirarão assim o devido prazer das pequenas desventuras e raciocínios deste impagável Senhor Valéry."
José António Gomes, Expresso, Cartaz 


" Uma pequena pérola. O Senhor Valéry é um descendente do "Monsieur Teste", de Paul Valéry, de "Un Certain Plume", de Henri Michaux, e do senhor Këuner, de Brecht. Trata-se de um homenzinho curioso e distraído, irónico e tímido, desajeitado e brilhante, patético e profundo, um homem pequeno que deambula, solitário, pela cidade, com passo curto, de chapéu de coco na cabeça. É uma criatura que problematiza tudo, que de tudo faz silogismos, enigmas, paradoxos."
Pedro Mexia, DNA»
retirado do site wook

O escritor Gonçalo M. Tavares:
"Gonçalo M. Tavares nasceu em 1970. Desde 2001 publicou livros em diferentes géneros literários. Os seus livros receberam vários prémios em Portugal e no estrangeiro e deram origem, em diferentes países, a diversos trabalhos artísticos e académicos. Em 2010, o seu livro Aprender a Rezar na Era da Técnica recebeu o Prémio do Melhor Livro Estrangeiro em França. É um dos dez escritores que fazem parte do Comité do Finnegan’s List 2014, European Society of Authors. Está a ser traduzido para cerca de trinta línguas. Foi finalista do Prémio Portugal Telecom 2014, no Brasil, com Matteo Perdeu o Emprego, publicado pela Porto Editora."retirado do site wook

Minha opinião:
Quando levantei este livro na biblioteca da escola onde estou a leccionar este ano, que devo referir está muito bem apetrechada, não sabia que este livro fazia parte do PLN do 6.º ano de escolaridade. Peguei no livro e o que me chamou a atenção foi o escritor, nunca tinha lido nada de Gonçalo M. Tavares, depois desfolhei o livro e deparei-me com ilustrações bizarras, que certamente teriam um contexto, verifiquei também que era um livro de contos. Tudo isto fez com que o trouxesse para casa, em boa hora o fiz.
Este livrinho fala-nos das histórias realmente bizarras, tal como os desenhos, de  um homem que se chama Valéry. Este personagem é muito caricata e vê o mundo numa perspectiva muito própria. O Senhor Valéry explica os fenómenos que o preocupam segundo uma filosofia de vida muito própria. É uma personagem peculiar e bem estranha. Para ele tudo tem duas formas de ser visto mas que, devido à sua insegurança, se resumem sempre a uma, que é aquela que ele quer. O mundo no seu ponto de vista está todo ao contrário, só a forma de ele ver o mundo é que é correcta. 
Um livro que adorei, desde o primeiro conto até ao último, fiquei como já estava a contar, apaixonada pela escrita de Gonçalo M. Tavares e adorei as ilustrações de Rachel Caiano. Agora queria ler algo deste escritor mas mais adequado para a minha faixa etária;). Mas refiro novamente que adorei este senhor complicado e distraído que tem por nome Valéry.
Excerto:
"O Senhor Valéry era pequenino, mas dava muitos saltos.
Ele explicava:
Sou igual às pessoas altas só que por menos tempo."
O Senhor Valéry de Gonçalo M. Tavares
Recomendo vivamente a leitura deste livro.
Classificação de 4**** no Goodreads.
Excelentes leituras!

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Divulgação Chiado Editora

Hoje foi dia de receber correio da Chiado Editora e como tal foi muito agradável, como sempre bons livros.
Obrigada Chiado Editora pelo envio destes dois livrinhos que tanto quero ler.
Jonas vai Morrer
Edson Athayde
Data da publicação:01-2014
N.º pág:150
ISBN:978-989-51-0888-6
Coleção: Viagens na Ficção
Género:Romance
Preço em formato de papel: 12,00 euros
Sinopse:
«Um quase-policial de Edson Athayde

“Todas as novelas têm um novelo. Todos os crimes têm o seu repertório de culpas. Autores de folhetins, em específico, e criminosos, em geral, trapaceiam ao revelar sempre o que interessa, um truque para esconder o que importa. A dissimulação é o vento que sopra na vela desta galera, o combustível dessa nave. Entre se quiser, acomode-se num canto. A viagem não vai ser tranquila”.
“Neste surpreendente romance quase tudo o que parece não é”.

(Prefácio de Luís Osório)

Romance escrito no âmbito de Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura.A história de “Jonas Vai Morrer” passa-se em Guimarães (ou Vimaranes, como era conhecida há mais de mil anos). Trata-se da mais histórica das cidades portuguesas, o chamado “berço do país”. Património Cultural da Humanidade, Guimarães foi, em 2012, Capital Europeia da Cultura. “Jonas Vai Morrer” foi escrito no âmbito de uma Residência Artística Literária desse evento. Além da trama cheia de mistérios e algum lirismo, esta obra revive nas suas páginas as ruas, praças, igrejas, bares, os tempos e os modos vimaranenses. Ambientado nos anos 80, “Jonas Vai Morrer” é um quase-policial, na definição do seu autor. Um livro que fala de crimes sem sangue à vista. Propõe um jogo onde a charada é descobrir quem é o algoz, quem é a vítima. Nesse labirinto, temos Pedro, um homem sem passado, o talvez louco 32, um caderno de memórias apócrifo e um enredo que nunca é o que parece ser.»retirado do site da chiado editora
O escritor Edson Athayde:
«Edson Athayde é um dos publicitários mais premiados da história de Portugal. Já ganhou centenas de nomeações e prémios nos festivais mais importantes do planeta, como Cannes, New York, Eurobest, Épica, Clio e muitos mais. Nascido no Brasil, Edson escolheu Portugal como país, tendo se naturalizado em 2004. Além da publicidade, desenvolve atividades como cronista, guionista para TV e cinema, autor de teatro, produtor musical, profissional de marketing comercial e político, apresentador de programas de televisão, professor, especialista em storytelling, entre outras coisas. Tem dois romances publicados, o segundo escrito no âmbito de uma residência literária em Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura (“Jonas Vai Morrer”, publicado também pela Chiado Editora).»retirado do site da chiado editora

Depois Daquela Noite
Patricia Keller
Data da publicação:03-2013
N.º pág:182
ISBN:978-989-697-962-1
Coleção: Viagens na Ficção
Género:Romance
Preço em formato de papel: 12,00 euros
Sinopse:
«Júlia é uma moça de vinte anos, linda e inteligente. Seria como qualquer outra moça de sua idade se ela não escondesse um segredo de seu passado.
Diferente da maioria das moças, que sonham com um príncipe encantado e um casamento de contos de fada, ela não deseja se apaixonar por homem nenhum. Quando Júlia volta para a casa, após vários anos estudando em um colégio interno na Suíça, tudo o que mais deseja é reiniciar sua vida ao lado de sua família e ser feliz.
Pouco a pouco ela percebe que seus pais não se importam com ela, tampouco sua irmã mais velha, que só tem olhos para seu noivo milionário e para o casamento de seus sonhos, que está se aproximando.
Quis o destino que em uma noite um homem, como nenhum outro, cruzasse seu caminho e mudasse tudo o que Júlia julgava acreditar.
O problema é que além de apaixonante esse homem é também seu futuro cunhado.»
retirado do site da chiado editora
A escritora Patricia Keller:
«Patrícia Keller é jornalista e especialista em História da Arte. Ama ler e escrever livros. Em seu tempo livre está sempre viajando e conhecendo novas culturas e países.» retirado do site da chiado editora

Muito obrigada à Chiado Editora pela atenção, eu sei que tenho algumas leituras em atraso mas fica a promessa que vou ler até ao final de março os livros que tenho e ainda não dei a minha singela e honesta opinião.
Vale a pena ler livros da Chiado Editora, a editora mais perto dos gostos do leitor. 

Vale a pena pensar...

É fácil apontar os defeitos dos outros o difícil é conhecer os nossos defeitos e aceitá-los como tal, por isso temos que mudar para sermos seres humanos melhores.
Vale a pena parar para pensar um pouco em si...e menos nos outros.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Vale a pena pensar...

Vale a pena reflectir sobre o valor de cada dia...

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Vale a pena pensar...

Devemos refletir sobre aquilo que lê-mos e muito mais sobre as opiniões literárias que dá-mos. Pois quem as lê é um ser humano como eu e tu, logo por vezes e sem dar-mos conta podemos estar a magoar as pessoas que colocaram naquele livro horas, meses e por vezes anos da sua dedicação. Dar uma opinião literária  significa que temos de colocar somente isso a opinião ao livro e nada mais.(Vale a pena pensar nisto.)
Excelentes leituras!

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Divulgação do livro "O Título" do escritor Thomas Bogg da Chiado Editora

Ontem recebi um e-mail do escritor Thomas Bogg a questionar se eu estaria interessada em ler o seu livro que se intitula "O Título", que será lançado em breve pela Chiado Editora.
Claro que aceitei prontamente, não só fazer a leitura do seu livro como também realizar aqui no blog a sua divulgação. 
Hoje recebi os dados para fazer a divulgação e o livro em pdf. Para além disso recebi um conselho do Thomas que devo dizer que gostei bastante e vou colocá-lo aqui.
"O Título é um livro denso, com pouca estrutura e que a confusão ao longo da leitura é provocada intencionalmente. Informo-lhe sobre isto para que não se sinta obrigada a cometer-se a uma leitura completa, mas aconselho-lhe - e isto também faz parte da intenção da obra - a ler O Título esporadicamente, saltando partes, procurando fragmentos que lhe possam afectar de uma forma interessante, se de facto houverem partes do livro que consigam afectar-lhe, de todo - é certo que o carácter filosófico do livro poderá ter apelo limitado. Não que queira por isto designar como deveria ler, e peço imediatamente desculpa por este conselho assemelhar-se a tal designação; mas aponto isto como nota de caução, querendo ter o cuidado de não iludir a Carla sobre o que estará prestes a abrir."
Este facto só demonstra a forma como o próprio escritor vê a sua obra, achei brilhante a sinceridade de Thomas Bogg.
Obrigada Thomas por ser uma das escolhidas para ler o teu livro antes de ser oficialmente lançado pela Chiado Editora, é um grande voto de confiança.
Quem é o escritor Thomas Bogg?
"Filho de imigrantes britânicos, nasceu em Faro a 29 de Setembro 1991. Cresceu e viveu em Albufeira até aos 18 anos. Entre 2009 e 2011 experimentou passagens pelo ensino superior e pelo emprego profissional sem sucesso, incluindo estadias em Aberdeen, na Escócia, e posteriormente em Lisboa. Foi em 2012, quando decidiu ingressar no curso de Filosofia da University of Essex na Inglaterra, que encontrou alguma estabilização na sua vida, licenciando-se finalmente em 2015.
Começa a escrever intensivamente aos 17 anos, uma prática que se tornou constante mediante a transitoriedade que caracteriza o início da sua idade adulta. Pela escrita foi-se convencendo daquilo que podia fazer. Em Essex fundou a Essex Writers’ Circle. Encontra-se hoje de volta a Portugal, a devotar-se a atividades literárias partilhadas entre ambos o Inglês e o Português, esperando conhecer e estimular o futuro da literatura Portuguesa."retirado do site Chiado Editora
Vou ler o livro como o escritor aconselhou, e espero que brevemente possa postar mais sobre ele.
Mais uma vez uma aposta da Chiado Editora, certamente uma boa e excelente aposta, como todas as anteriores que já tive o prazer de saborear.
Excelentes leituras!

Minha opinião sobre o livro "A Fábula de Dualina" do escritor Arnaud Mattoso

A Fábula de Dualina

Escritor: Arnaud Mattoso
Editora:Chiado Editora
N.º pág. 60
Coleção: Mundo Fantástico
Género: Literatura Fantástica
Gentilmente cedido pela Chiado Editora, em troca da minha honesta opinião. Muito Obrigada Chiado Editora.

Sinopse:
«Nunca mais esqueci deste nome, nem dela.
O amor é persistente, não nos abandona facilmente.
Nunca tive coragem de contar a verdadeira história do que houve no dia em que me afoguei e morri. Achava que ninguém acreditaria numa fábula como essa.
Preferi o silêncio.
Guardei a história e o segredo das sereias surfistas como um sonho bom. Mas passado tanto tempo, anos que nada significaram, ainda sinto vontade de revê-la e a necessidade de contar ao mundo o que aconteceu naquela tarde mágica.
Porque Dualina foi para mim a coisa, pessoa, sereia, peixe-mulher ou mulher-peixe mais importante que aconteceu em minha vida, mesmo que ela de verdade, talvez, nunca tenha existido.»retirado do site Chiado Editora
Minha opinião:
Esta Fábula foi enviada pela Chiado Editores para eu ler e dar a minha sincera e honesta opinião.
Adorei a história, já não lia uma fábula desde criança e devo confessar que me apaixonei por esta.
Nesta fábula temos as sereias a falar, Dualina é a rainha das sereias e tenta encontrar um humano para um determinado fim. Mas o humano tem de concordar com algo que inicialmente parece fácil mas que com o tempo se concluí que é algo muito difícil para qualquer humano.
Uma pequena fábula que transmite uma enorme lição para os seres humanos, nomeadamente no âmbito da conservação do ambiente.
Adorei e recomendo a sua leitura.
Classificação de 4**** no Goodreads.
Mais uma excelente leitura desta brilhante editora que é a Chiado Editora. Leia livros da Chiado Editora a Editora que tem uma diversidade de obras enorme, que aposta nos jovens escritores portugueses e como já referi tem leituras para todos os gostos.
Excelentes leituras!